Notícias Bolsista pesquisa efeito do aquecimento global em ovos de lagartos
Bolsista em destaque

Bolsista pesquisa efeito do aquecimento global em ovos de lagartos

Publicado: Terça, 19 Novembro 2019 15:34 , Última Atualização: Terça, 19 Novembro 2019 16:58

19112019 A bolsista faz a incubação dos ovos da espécie Hemidactylus mabouia que é a lagartixa doméstica

Bióloga com mestrado em Zoologia, pela Universidade de Brasília (UnB), Juliana Luzete é bolsista da CAPES no Programa de Pós-Graduação em Zoologia da mesma instituição e atualmente pesquisa o efeito de diferentes temperaturas na incubação dos ovos da espécie Hemidactylus mabouia, a lagartixa doméstica.

O que você estuda?
Eu estudo o efeito que a temperatura tem no desenvolvimento embrionário dentro dos ovos de lagartos. Então, meu projeto em especifico, é saber qual é o efeito que uma temperatura, possivelmente imposta pelo aquecimento global, pode causar no desenvolvimento do embrião de uma espécie de lagarto, que é o Hemidactylus mabouia, que é essa lagartixa doméstica, de parede, comum.

Está espécie de lagartixa tende a se adaptar melhor aos ambientes?
Isso! Ela é uma espécie invasora de origem africana e, justamente por isso, provavelmente tem mecanismos de adaptação rápida às condições do ambiente. Então, a gente acredita que ela consiga responder melhor a essas situações de estresse do que as espécies nativas. Isso geraria uma certa vantagem na competição.

Como está o andamento da sua pesquisa?
Eu comecei agora, este ano, e ainda estou na fase de coletar os ovos para encubar. Eu espero ter uma resposta se os ovos encubados em diferentes temperaturas não tenham uma grande variação na morfologia e fisiologia, o que seria o oposto de espécies nativas, e teria um grande impacto na fisiologia e na morfologia delas.

Qual é a importância da bolsa da CAPES?
Muitas pessoas que não têm bolsa acabam tendo que trabalhar por fora. Isso diminui muito o tempo que elas investem em seus projetos e pesquisas. Por ter uma bolsa eu consigo ter uma dedicação, de fato, exclusiva, e focar integralmente no laboratório. Assim, a pesquisa rende mais.

(Brasília – Redação CCS/CAPES)
A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura CCS/CAPES

Compartilhe o que você leu