Prêmio CAPES de Tese Notícias pct Dra. Letícia Maíra Wambier

Dra. Letícia Maíra Wambier

Publicado: Segunda, 10 Dezembro 2018 13:15 , Última Atualização: Quarta, 09 Janeiro 2019 15:23

Área

 Odontologia

Tese

 Avaliação do risco e intensidade da dor utilizando anestesia tópica em diferentes procedimentos odontológicos

Orientadora

 Alessandra Reis Silva Loguercio

Coorientador

 Alessandro Dourado Loguercio

Programa

Programa de Pós-Graduação em Odontologia da UEPG

Entrevista

Concluiu o curso de Odontologia na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) no ano de 2011. Teve seu primeiro contato com a pesquisa na Iniciação Científica (Pibic), atividade desenvolvida durante todo o curso, sempre orientada pela professora Alessandra Reis. Essa trajetória foi motivadora para seu ingresso no mestrado, consolidando o desejo de seguir a carreira acadêmica. Em 2014, iniciou o doutorado na mesma instituição permanecendo na área de concentração de Clínica Integrada, contudo na linha de pesquisa de Materiais Dentários. Sua tese “Avaliação do risco e intensidade da dor utilizando anestesia tópica em diferentes procedimentos odontológicos” foi uma das selecionadas para receber o Prêmio CAPES de Tese 2018.

Como foi o processo de formulação da tese?
Inicialmente foi feito contato com o laboratório de farmácia da UEPG e solicitado auxílio do professor Paulo Vitor Farago, expondo a ideia do estudo, e discutindo sobre a viabilidade de produção do agente anestésico. Após diversos ensaios, o gel anestésico foi formulado na consistência ideal e com os ingredientes necessários para o efeito desejado (potência, tempo de ação e estabilidade no local da aplicação). Na sequência, foram seguidas as etapas necessárias para a obtenção da patente, com supervisão e auxílio da equipe responsável da UEPG. O gel formulado e patenteado foi testado em crianças e adultos, para situações clínicas comuns que dependem, na maior parte das vezes, de anestesias infiltrativas para adaptação de grampos para isolamento absoluto, cujos procedimentos são pouco invasivos como ocorre nas restaurações de lesões cervicais não cariosas e aplicação de selantes em molares permanentes. Partiu-se da hipótese de que um anestésico tópico potente poderia ser suficiente para esses procedimentos.

Qual o produto da sua tese?
Durante o curso de mestrado testei um gel anestésico para tratamento de raspagem e alisamento periodontal em pacientes portadores de necessidades especiais. Os pacientes aceitaram bem o tratamento, ficaram tranquilos durante o atendimento e não houve necessidade de uso de anestesia infiltrativa. Contudo, notei que havia alguma dificuldade na permanência do anestésico tópico no local desejado. Essas observações me chamaram a atenção e sinalizaram para a possibilidade do uso de anestésicos tópicos em outros procedimentos, tendo em vista a alta frequência de medo e ansiedade dos pacientes devido ao uso de agulhas nas anestesias infiltrativas em procedimentos odontológicos muitas vezes não invasivos ou minimamente invasivos. Assim, surgiu a ideia de elaborar um produto anestésico que fosse potente, permanecendo no local aplicado sem escoar, uma vez que a diluição do anestésico na saliva com deglutição também causa desconforto, principalmente na clientela infantil. Desta forma, o gel anestésico tópico fotoativado foi elaborado com o objetivo de corrigir as falhas dos anestésicos tópicos já comercializados.

O que sua tese traz de diferente daquilo que é visto na literatura?
O diferencial desta pesquisa foi o desenvolvimento de uma patente de um gel anestésico fotopolimerizado que foi testado em três ensaios clínicos randomizados triplos cegos. Nestes, foram testados diferentes grampos para isolamento absoluto em procedimentos minimamente invasivos.

Como foi o processo desse estudo?
Dois estudos foram conduzidos com crianças (7 a 12 anos) que necessitavam de selamento em molares permanentes e um foi realizado em paciente adulto portador de lesões cervicais não cariosas, indicadas para restaurações. Além desses três estudos clínicos, foram realizadas duas revisões sistemáticas com meta-análise. Uma delas verificou a eficácia de anestésicos tópicos comparados a um placebo e a outra comparou anestésicos tópicos com anestesia injetável durante a raspagem e alisamento radicular. Esses estudos foram todos publicados em revistas de alto fator de impacto na área da Odontologia (J Clin Periodontol. 2016;J Am Dent Assoc. 2017;Pediatr Dent. 2018; Am J Dent. 2018).

Qual o impacto social da sua pesquisa?
Oferecer à Odontologia uma nova opção de anestesia tópica, com ação localizada e mais potente, dispensando o uso de agulhas nos procedimentos minimamente invasivos, tendo em vista que o controle da dor e da ansiedade são requisitos fundamentais para ganhar a confiança dos pacientes e conduz a uma melhor aceitação do tratamento.

O que representa receber o prêmio CAPES de tese?
Receber o prêmio CAPES representa um marco na minha vida profissional como pesquisadora, uma vez que me dedico à pesquisa desde 2008. Esse reconhecimento do trabalho realizado me motiva a dar continuidade nas pesquisas, valoriza todo o esforço empregado nesses dez anos de intenso trabalho. Quanto ao lado pessoal, esse prêmio valoriza todo investimento de minha família em minha formação profissional, o que me deixa extremamente feliz.

Vídeo

(Brasília – Lucas Brandão para CCS/CAPES)
A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura CCS/CAPES

Compartilhe o que você leu