Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Sala de Imprensa > Notícias > Bolsista da CAPES publica estudo pioneiro em revista internacional
Início do conteúdo da página
IODP

Bolsista da CAPES publica estudo pioneiro em revista internacional

Publicado: Terça, 10 Outubro 2017 19:54 | Última Atualização: Terça, 10 Outubro 2017 20:09

O ex-bolsista de doutorado da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) Bruno Silva acaba de ter seu estudo publicado na revista American Society of Microbiology. Bruno foi protagonista na pesquisa, que também contou com a contribuição de outros bolsistas de mestrado, doutorado e pós-doutorado da CAPES e outras agências de fomento como CNPq e FAPERJ.

Bruno Silva e Cecilia Pereira filtrando agua
(Foto: Acervo pessoal)

“Este é o primeiro estudo abrangente sobre vírus no contínuo Rio-Pluma-Oceano Amazônico. Avaliamos que o trabalho terá alto alcance e também será um estudo de base para que novas hipóteses acerca do papel dos microrganismos na ciclagem de carbono e no clima sejam realizados”, explica Fabiano Thompson, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e coordenador do projeto.

Estudo
Sobre a pesquisa, o professor explica: “Anualmente, cerca de 28 Teragramas Carbono (um trilhão de gramas de C) são fixados por produtores primários na pluma do Rio Amazonas. Esses valores têm influência no conteúdo de carbono na atmosfera e na água e, portanto, podem influenciar o clima. A partir de 2 expedições concomitantes (uma no rio e outra no mar), estabelecemos panorama sobre a diversidade taxonômica e funcional de vírus da água. Na pluma predominam vírus líticos na pluma e vírus lisogênicos no rio. Naturalmente, este padrão tem implicações para a ciclagem de matéria e energia no contínuo Rio-Pluma-Oceano. No rio, os vírus podem acelerar a evolução de seus hospedeiros (predominantemente eucariontes), incorporando material genético no genoma de seus hospedeiros ou otimizando o metabolismo dos hospedeiros. Já na pluma/oceano, líse predomina, fazendo com que as células liberem material intracelular e nutrientes na água, o chamado "virus chunt", no qual nutrientes retornam para as comunidades microbianas.”

Pluma lamosa 10102017
Pluma lamosa (Foto: Acervo pessoal)

Segundo Fabiano, a análise feita é altamente importante. “De modo geral, mesmo nos países desenvolvidos tais como EUA, Canadá, França e Japão, estudos voltados ao entendimento do papel dos vírus nos oceanos são extremamente restritos. Neste cenário, somos protagonistas importantes, mas ainda falta muito: investimentos em novas tecnologias (submarinos, robôs, sequenciadores de DNA, clusters computacionais), embarcações para expedições/coletas, recursos de custeio e recursos humanos são necessários. O investimento em ciências do mar no Brasil ainda é pequeno.”

IODP/CAPES-Brasil
O estudo de Bruno Silva foi realizado no âmbito do Edital IODP/CAPES-Brasil nº38/2014. Neste sentido, Fabiano Thompson destaca a importância de apoios como os recursos destinados ao projeto. “Este suporte é importantíssimo. O programa IODP/CAPES-Brasil vem desenvolvendo um trabalho de excelência e talvez seja hoje o principal programa de Ciências do Mar no país. É uma iniciativa organizada, dinâmica e com foco em questões relevantes para a sociedade.”

De acordo com o professor, os próximos passos compreendem o retorno para a região Amazônica para ampliar os estudos naquela região. “Estamos empenhados em alavancar estudos científicos na região amazônica e envidaremos esforços para alcançar novas metas com o apoio da CAPES”, finaliza.

Sobre o IODP
O International Ocean Discovery Program (IODP) é um programa internacional de pesquisas marinhas que investiga a história e a estrutura da Terra a partir do registro em sedimentos e rochas do fundo do mar, além de monitorar ambientes de sub-superfície.

Equipe no RV Atlantis
Equipe no RV Atlantis ( Foto: Acervo pessoal)

Parte significativa da comunidade científica atuante em ciências do mar de águas profundas de diversos países está envolvida no programa. Desde 2013, o Brasil, por meio de financiamento viabilizado pela CAPES, é membro do consórcio JOIDES Resolution e colabora com o IODP. Para executar as atividades previstas no Programa, a Capes conta com o apoio de um Comitê Científico e um Comitê Executivo.

Expedições do IODP usam avançada tecnologia de perfuração oceânica, de modo a permitir disseminação de dados e amostras a partir de arquivos globais, particularmente para os países membros do programa.

O sistema de perfuração é apoiado por um parque analítico a bordo do Navio de Pesquisa JOIDES Resolution, composto por equipamentos de última geração voltados a pesquisa geofísica, geoquímica, microbiológica e paleoclimática. Além da infraestrutura a bordo, o IODP conta com apoio de numerosas instituições de pesquisa e formação de recursos humanos nos diferentes países que atualmente compõem o programa.

Conheça a página do Programa CAPES/IODP.

Visite a página oficial do IODP.

(Natália Morato – Brasília – CCS/CAPES)

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'CCS/CAPES’

Fim do conteúdo da página