Notícias Brasileiros criam partícula que mistura ouro e luz
FÍSICA QUÂNTICA

Brasileiros criam partícula que mistura ouro e luz

Publicado: Quarta, 12 Agosto 2020 12:47 , Última Atualização: Quarta, 12 Agosto 2020 12:50

Experiência científica protagonizada por pesquisadores brasileiros e alemães conseguiu dar novo passo no universo da física quântica ao criar uma partícula de ouro-luz inédita no planeta

12082020 FOTO DENTRO MATERIA NATURE UFC PESQUISA 02

Com a participação de Bruno Vieira Gondim, doutorando da Universidade Federal do Ceará (UFC) e bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), e conduzida por Eduardo Bedê Barros, chefe do Departamento de Física da mesma instituição, a descoberta foi publicada na Revista Nature, com o título de Deep strong light-matter coupling in plasmonic nanoparticle crystals, no último dia 29.

12082020 FOTO DENTRO MATERIA NATURE UFC PESQUISA 03

A pesquisa teve a participação de estudiosos das Universidades Livre de Berlim e de Hamburgo, na Alemanha e se desenvolveu em laboratório naquele país. Ali, Gondim e Barros descobriram que nanopartículas de ouro submetidas à exposição de fótons de luz, atingem um nível de 100% de interação, com a fusão perfeita das propriedades das duas moléculas, gerando o que os pesquisadores definiram como “uma nanopartícula fotônica de ouro perfeita”.

Esta “extrema eficiência do novo material” poderá abrir, segundo Eduardo Barros, um campo “revolucionário” de aplicações nas tecnologias de energia solar e computação fotônica, e pode inaugurar uma nova área de engenharia de materiais fotônicos. "Poderemos controlar as propriedades desses materiais de uma forma análoga à que utilizamos na engenharia de materiais eletrônicos", afirmou.

Bruno Vieira, autor dos testes laboratoriais, lembrou que a técnica aplicada na pesquisa é “de baixo custo, versátil e muito precisa, o que permite a utilização do novo material em grande escala” e pode ser reproduzida em ambiente industrial de maneira simples, prática e barata. A meta dos pesquisadores brasileiros e alemães, agora, é dar sequência à pesquisa, experimentando novas dimensões de interação entre o ouro e a luz.

(Brasília – Redação CCS/CAPES)
A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura CCS/CAPES

Compartilhe o que você leu